Ingredientes | Debates

Eixo temático 1 – Produção Agrícola

Sábado 28 de Março, 16h30 | Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3

Agricultura biológica, regenerativa, permacultura, agroecologia... O que sabemos sobre agricultura sustentável? Como estimular a sua implementação em Portugal?”

Com a participação de:

David Avelar

David Avelar é biólogo, investigador em alterações climáticas no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa onde está a desenvolver o seu doutoramento em adaptação baseada em ecossistemas.
É guardião no projeto de permacultura HortaFCUL onde tem praticado e aprendido bastante sobre o tema, cooperante do projeto agroecológico do Freixo do Meio e um dos moderadores da Rede CONVERGIR, uma ferramenta de mapeamento de projetos inspiradores de alternativas em Portugal.

Marta Cortegano

Engenheira florestal, doutoranda em Ciências da Sustentabilidade, desenvolve tese sobre a governança e transição agroecológica. Há 16 anos deixou Sintra para residir e Mértola, onde impulsiona processos de desenvolvimento local e regional, através de metodologias participativas e soluções colaborativas, como resposta para a valorização do território nas áreas de baixa densidade e maior susceptibilidade à desertificação e alterações climáticas. 
Profissionalmente é coordenadora de projetos na Esdime, ensina na Escola Profissional Alsud, fundou e preside a Associação de Empresários do Vale do Guadiana. Enquanto membro da Associação Terra Sintrópica, participa ativamente na definição e implementação de uma estratégia da comunidade local, baseada no conceito de "regeneração pelo uso" através da Agroecologia e na dinamização de uma Rede Alimentar Local.

Jaime Ferreira

Licenciatura em Engenharia Florestal da Universidade de Trás-os-Montes e Alto-Douro.
Pós-graduação em Produção Agrícola Tropical, da Universidade Técnica de Lisboa.
Pós-graduação em Agricultura Biológica, da Escola Superior Agrária de Coimbra.
Presidente da Direção da AGROBIO desde 2009. 

André Antunes

Licenciado em Medicina Veterinária pela UTAD em 2007, trabalhou como Veterinário Oficial para a Food Standards Agency no Reino Unido até 2012 a partir de quando começa uma busca autodidacta por conhecimento nas áreas da Sustentabilidade e Economias Alternativas. Em 2015 completa o curso de Permacultura no Ridgedale Permaculture, com Richard Perkins. Em 2017 co-cria o Chão Rico - Horticultura Biológica em Colares que continua a co-gerir.
A Gestão Holística e a Agricultura Regenerativa são as principais temáticas que de momento estuda e pretende implementar no futuro.

Catarina Prista

Catarina Prista é mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Técnica de Lisboa e doutorada em Engenharia Agroindustrial pela Universidade Técnica de Lisboa/Instituto Superior de Agronomia.
Desde 2013, é professora auxiliar no Instituto Superior de Agronomia nas áreas de Qualidade e Processamento Alimentar, onde lecciona Alimentos Fermentados e Fisiologia Microbiana. É coordenadora do mestrado em Ciência Gatronómicas no ISA. No ISA, integra o Grupo de Investigação na Área Alimentar do Centro de Investigação LEAF- Linking Ladscape, Environment, Agriculture and Food. No âmbito da sua atividade de investigação, tem aliado uma vertente de estudos de Fisiologia Microbiana à produção de alimentos principalmente numa óptica de produção de alimentos e bebidas fermentados inovadores, utilizando matérias primas sub-utilizadas e resíduos da indústria alimentar. Em particular, tem-se interessado pelo  desenvolvimento/produção de alimentos fermentados à base de leguminosas sub-utilizadas e de sub-produtos da indústria de arroz, tomate e processamento de frutos ou matérias primas menos comuns, no intuíto de melhorar os processos, a qualidade nutricional e segurança dos produtos fermentados. 

Carlota Vaz Patto

Engenheira Agrónoma, doutorada em Genética Quantitativa de Plantas, lidera o grupo de investigação PlantX no ITQBNOVA em Oeiras , sendo também Vice-Presidente da Sociedade Internacional de Leguminosas (ILS).
Dedica-se ao estudo do controlo genético de caracteristicas de interesse agronómico como a resistência a doenças ou a qualidade organoléptica/nutricional das leguminosas com o fim aplicado de desenvolver ferramentas moleculares para apoiar programas de melhoramento de plantas. Apologista de uma investigação participativa, desafia frequentemente diferentes áreas do saber a integrar improváveis consórcios de investigação.

Eixo temático 2 – Distribuição e Consumo

Sábado 28 de Março, 18h00 | Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3

Cadeias de abastecimento, mercado globalizado, padrões de consumo. Como assegurar trajetórias sustentáveis do campo ao garfo?

Com a participação de:

Inês Sequeira Gonçalves

Fez a licenciatura em Gestão na Universidade Nova de Lisboa e o mestrado na Universitat Pompeu Fabra, em Barcelona, onde desenvolveu a tese em Comportamento do Consumidor na área alimentar. Foi nesta área que fez investigação na Católica-Lisbon School of Business and Economics (CLSBE). Mais tarde decidiu procurar o lado prático do mundo da cozinha e da restauração, fazendo um curso na Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal e juntando-se à cozinha do Feitoria no Hotel Altis Belém para um estágio. Trabalhou também na Confeitaria Lisboa, Sonae-Modelo Continente e no Consumer Intelligence Lab, uma consultora de Marketing Estratégico. Dá aulas na Católica-Lisbon School of Business & Economics e na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Em 2018 juntou-se à organização dos Sustainable Food Days. Escreve de forma independente sobre gastronomia e cultura alimentar. 

Maria José Ilhéu

Economista, pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG). Docente do ISEG entre final dos anos oitenta e final dos anos noventa, nas áreas economia portuguesa, política económica, economia e política agrária. Técnica da Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural (DGADR), a partir de 2002. Integra a estrutura técnica da Rede Rural Nacional (RRN) desde do lançamento e operacionalização pela DGADR, em 2010.
Coordenou em 2016 o Grupo e Trabalho Temático sobre Circuitos Curtos Agroalimentares (CCA), criado no âmbito da RRN. Tem desenvolvido diversos conteúdos para o site da RRN e participado na redação e edição das revistas “emRede” da RRN. Também sobre CCA, foi formadora  em 2017 de ações de capacitação das equipas técnicas dos Grupos de Ação Local.

Mário Rolando

Porto
50 anos
Lic Direito U. Coimbra
Mestrando Ciências Gastronómicas
Formador de Padaria  e Pastelaria
Chefe de produção Oficina da Esquina -  Padaria da Esquina

Natália Henriques

Diretora Executiva na ADREPES (Associação para o Desenvolvimento Regional da Península de Setúbal), coordena os Grupos de Ação Local Rural, Costeiro e Urbano. A ADREPES é promotora do “PROVE - Promover e Vender”, metodologia de comercialização de circuito curto, nomeadamente de cabazes de frutas e legumes do produtor diretamente ao consumidor/a, fomentando uma relação de proximidade entre quem produz e quem consome. Ativo desde 2006, o PROVE leva todas as semanas produtos biológicos ou de produção integrada a 4 mil consumidores. 

Nuno Queiroz Ribeiro

Estudou em Londres na Le Cordon Bleu, passou por Itália e foi em Beirute que abriu o seu primeiro restaurante, pioneiro na comida vegetariana, vegan, macrobiótica e biológica. Em Portugal, abriu uma empresa de catering, dedicada a grandes eventos, foi co-fundador da Crescer Saudável, Educação CML e tem participado em programas de televisão como o Peso Pesado da SIC e Dr. White.
Desempenha funções de consultor, tendo, participado na abertura de vários projectos de sucesso, entre os quais Restaurante OUT OF ou o Bistrô Vegetariano NOMALISM, ambos em Lisboa. De momento, desenvolve acções de sensibilizacao e formação em todas as 98 escolas da cidade de Lisboa, do Ensino Básico e Pré-Escolar no âmbito do programa de Alimentação Escolar "Crescer Saudável".
Chef especialista em alimentação saudável, é único chef português com uma distinção de mérito do Ministério da Saúde e o primeiro convidado para um simpósio da Organização Mundial de Saúde, onde foi promover a dieta mediterrânica.

Eixo temático 3 – Desperdício Alimentar

Domingo 29 de Março, 16h30 | Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3

Desperdício Alimentar: causas, impactos e soluções para fechar o ciclo dos alimentos

Com a participação de:

Iva Pires

Iva Miranda Pires é professora associada da Faculdade Ciências Sociais e Humanas da NOVA de Lisboa. Leciona no Departamento de Sociologia e coordena o mestrado e o doutoramento em Ecologia Humana.
É membro integrado do CICS.NOVA, Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da NOVA de Lisboa. 
Tem desenvolvido investigação sobre o tema do desperdício alimentar, nomeadamente co-coordenou o PERDA (2012), Projeto de Estudo e Reflexão sobre o Desperdício Alimentar e recentemente escreveu um Ensaio sobre Desperdício Alimentar publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. 

Eduardo Correia Diniz

Licenciatura em Engenharia Agronómica, especialidade Economia Agrária e Sociologia Rural, Instituto Superior de Agronomia, Universidade Técnica de Lisboa,1994.
Diretor Geral do Gabinete de Planeamento e Políticas e Administração Geral (GPP) do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e do Ministério do Mar, desde 2012.
Exerceu diversos cargos na área coordenação técnica das atividades do ministério de âmbito estratégico, das relações internacionais bem como, as funções de coordenador do programa orçamental e apoio de administração geral.
Longa experiência no acompanhamento das questões de assuntos europeus nomeadamente na negociação, definição e avaliação das regras da Política Agrícola Comum, no assegurar a sua representação no âmbito comunitário e internacional, e o acompanhamento dos mercados agroalimentares.

Mariana Abreu

A Mariana sempre se afirmou como um espírito voluntário e jovem, tendo participado ao longo da vida em diversos projetos de voluntariado, de cariz social e de ajuda ao próximo, como o Gastagus ou o Movimento Refood, onde esteve como voluntária pioneira do movimento e mais tarde como coordenadora dos voluntários. 
Ao nível profissional passou pela Nestlé onde trabalhou no departamento de responsabilidade social, ajudando a elaborar o plano estratégico de voluntariado da empresa, desenvolvendo inúmeras ações e contribuindo para a sua expansão a nível nacional.  Mais tarde foi dinamizadora do programa “Educar para a Cidadania” do Banco Alimentar Contra a Fome, incentivando os jovens a abraçarem valores universais, como por exemplo, os valores sociais e o respeito pelo ambiente. Desde 2016 que a podemos encontrar na Phenix Portugal. Ocupando atualmente o lugar de COO, a Mariana esforça-se diariamente para levar a todo o lado a mensagem contra o desperdício alimentar e não alimentar: porque juntos, evitamos o desperdício!

Rui Catalão & Maria Antunes – Kitchen Dates

É o primeiro restaurante sem caixote do lixo de Portugal – e um de muito poucos no mundo inteiro. Aqui trabalha-se exclusivamente com ingredientes locais, que chegam em recipientes reutilizáveis diretamente de produtores que seguem os princípios da agricultura biológica. Funcionam numa lógica de economia circular, compostando toda a matéria orgânica no local e entregando o composto aos produtores, para que o apliquem novamente no solo.

João Almeida

Nasceu em Lisboa e estudou Economia na Universidade Nova SBE para aprender a dar forma aos seus projectos. No caminho da Economia, tropeçou na Sustentabilidade e já não voltou atrás: fez um mestrado em Desenvolvimento Sustentável na Universidade de Basileia, Suíca. A vida levou-o a apostar na área Alimentar e especializou-se em Desperdício Alimentar na Suíça, onde também teve durante 6 anos uma empresa de consultoria de sustentabilidade. Voltou para Portugal para pôr em prática o seu lema “walk the talk”, ou seja viver de acordo com o que defende: trabalha como consultor na área, é sócio fundador do ImpactHub de Lisboa e está a trabalhar para abrir um hotel rural em Montemor-o-Novo. Gosta de criatividade, de tecnologia, de design e de dizer aos amigos que dentro da sustentabilidade não é especialista em tudo, mas no todo.